Planos para o exercício do mandato de Deputada Estadual:

Além de apresentar projetos de lei, um Parlamentar tem a importante função de fiscalizar. Na Assembleia Legislativa de São Paulo, quero intensificar essa missão. Quantas CPIs por desvios de verbas não poderiam e poderão ser instaladas?

O trabalho de um Parlamentar não se limita a legislar e fiscalizar. Um Deputado Estadual pode (e deve) ser um agente de ligação. O que é isso? Agentes de ligação são pessoas que conseguem aproximar aqueles que deveriam trabalhar juntos, mas seguem separados.

Pensem nas escolas públicas. As escolas públicas podem ser centros de serviços. As várias secretarias poderiam utilizar aqueles espaços, com o fim de otimizar seus serviços. Por que esperar os pais levarem a criança ao posto de saúde para vacinar? A vacinação deve ir até as crianças.

Muitas vezes, há leis, mas não há o esforço necessário para retirar as leis do papel. Na Assembleia Legislativa quero ser um agente de ligação, uma formadora de redes de ação!

Assumo o compromisso de fortalecer o programa “Entrega Legal”, pelo qual mulheres, que não têm condições de criar seus filhos, levam a gravidez até o final e dão o bebê para adoção. São mulheres abnegadas, que preservam uma vida e fazem uma família feliz!

Assumo o compromisso de aprimorar os esclarecimentos em torno de todos os métodos contraceptivos, sobretudo o uso de preservativo, que além da gravidez, previne doenças sexualmente transmissíveis e o HIV.

Assumo o compromisso de trabalhar para que as mulheres possam realmente escolher a via de parto desejada. Não quero mais saber de mulheres que, desejando fazer cesárea, mesmo estando com 40 semanas de gestação, são obrigadas a aguardar um parto normal. O parto normal e o parto natural são muito bons, desde que haja condições para o monitoramento da gestante, não é o que ocorre nos hospitais públicos.

Assumo o compromisso de trabalhar para diminuir os índices de mortalidade infantil e de mortalidade materna.

Sabendo ser polêmico, assumo o compromisso de trabalhar pela escola em tempo integral. Já me disseram que não há dinheiro para isso. Mas eu vou tentar, ao menos, aumentar o número de vagas. A escola em tempo integral deixa a criança mais segura.

Mãe nenhuma trabalha tranquila com sua criança trancada sozinha em casa! Criança na escola não é vítima de acidente doméstico! Criança na escola não é vítima de crime e não é cooptada pelo crime! A escola é (e pode ser) muito mais do que um espaço para instrução.

Vou elaborar um projeto de lei para deixar bem claro que o marco temporal do 31 de março está relacionado à garantia de vaga na escola. Não se tratando de uma vedação.

Se a criança faz 6 anos depois de 31 de março, mas já está integrada com sua turminha do infantil e se seus pais e professores entendem que ela está apta, deve progredir com a turma! Porque é o certo e o justo. Temos que prestigiar o mérito desde o início!

Ainda no âmbito da Educação, quero tentar desenvolver meios de incluir crianças com necessidades especiais. Essas necessidades especiais podem ser físicas, podem dizer respeito a dificuldades no aprendizado, ou mesmo em muita facilidade em aprender. No Brasil, ninguém trata disso, mas crianças com muita facilidade também se desestimulam e abandonam a escola. Nós nos preocupamos com aqueles que têm dificuldades e neglicenciamos os que têm muita facilidade. Precisamos identificá-los e estimular seu potencial. Em um dos cursos que fiz nos Estados Unidos, aprendi que criança muito inteligente mal aproveitada pode se perder para drogas e crimes. Temos que ocupar essas mentes.

Chega desse mantra de que droga é liberdade. Droga aprisiona, torna o indivíduo cativo. Vejam, nem estou falando do papel do Direito Penal nessa seara. Estou falando que um país do futuro depende de jovens saudáveis com mentes livres!

Quem ganha com uma juventude chapada?

Chega desse mantra de que aborto é direito fundamental da mulher! Aborto é a maior agressão à mulher! Temos que ensinar aos nossos jovens (meninos e meninas) que a vida sexual enseja responsabilidades! Só quem ganha com aborto são as clínicas clandestinas, que vivem da desgraça alheia! Bora parar com hipocrisia!

Um de meus temas de estudo é Segurança Pública. Sou contrária à unificação das Polícias e também sou contrária à desmilitarização da Polícia Militar. Vamos fomentar a integração e a inteligência policial. Para coibir estupros, é muito importante aprimorar o banco de perfis genéticos. Estou até pensando em criar um programa em que se ensinam várias modalidades de luta para as meninas. Um de nossos maiores problemas, em termos de Segurança Pública, está na identificação da autoria. Quero trabalhar para aprimorar as perícias!