Precisamos de uma alternativa ao PT e a Bolsonaro em 2022

Carolina Linhares

Autora do pedido de impeachment de Dilma Rousseff (PT) e recordista de votos na disputa ao Legislativo nas eleições de 2018, a deputada estadual Janaina Paschoal (PSL), 45, afirma que o Brasil precisará, em 2022, de uma alternativa ao PT e ao atual presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido).

Fenômeno eleitoral que teve mais de 2 milhões de votos, Janaina é vista pelo PSL como uma possível candidata ao Palácio do Planalto, mas ela não responde quem seriam as alternativas: “Não sabemos nem quem estará vivo”.

“Em 2018, nós não tínhamos alternativa. Eu nunca fui bolsonarista, mas Bolsonaro era o único com potencial para vencer a quadrilha que eu, a duras penas, tirei do poder. Não poderia votar no PT. Eu, hoje, tenho clareza que, em 2022, precisamos de uma alternativa ao PT e a Bolsonaro”, diz a deputada.

Janaina afirmou há quase um mês, em discurso na Assembleia Legislativa de São Paulo, que Bolsonaro deveria deixar o cargo devido ao seu comportamento durante a pandemia do coronavírus. “Esse senhor tem que sair da Presidência da República, deixa o [Hamilton] Mourão [vice-presidente], que entende de defesa, conduzir a nação”, disse em 16 de março.

Agora, ela evita endossar essa opinião ou falar em impeachment. “Estou pensando no Brasil. Não é uma questão de manter ou mudar de opinião. Estou observando… Hoje, quero todos os esforços para o enfrentamento do vírus.”

A deputada, porém, diz que a atual crise da Covid-19 mostra que Bolsonaro “não tem grandeza para presidir”.

Em entrevista à Folha, com as respostas enviadas pelo WhatsApp, Janaina parece dar uma chance para que o presidente seja mais ponderado. “Precisa parar de ouvir as pessoas erradas”, aconselha.

Embora afirme que Bolsonaro tem comportamentos infantis e irresponsáveis, também diz que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), “não ajuda o Brasil se subir o tom com o presidente”.

Em seu discurso no último dia 16, em reação à participação de Bolsonaro em manifestação contra os demais Poderes em meio à pandemia contrariando recomendação do Ministério da Saúde, Janaina afirmou também que se arrependeu do seu voto. A ocasião marcou um rompimento, ainda que ela sempre tenha sido crítica ao bolsonarismo.

Na entrevista à Folha, Janaina defende o isolamento social (que vem sendo criticado por Bolsonaro), vê erro da imprensa por, segundo ela, demonizar a cloroquina (medicamento exaltado pelo presidente) e diz que o auxílio emergencial do governo para a população durante a atual crise não tardou.

“O Brasil precisa aprender a não depender só do Estado”, diz. “Apesar da opinião pessoal do presidente, ele tem deixado as boas equipes técnicas trabalharem”, completa.

*

Como a sra. avalia as medidas tomadas pela gestão João Doria (PSDB) em São Paulo em relação ao combate ao coronavírus? Tenho uma visão muito radical desta crise. Se eu fosse presidente ou governadora, teria cancelado homenagens, cerimônias muito antes. Ouso dizer que teria cancelado o Carnaval, pois o mundo já dava sinais de que a situação era muito grave.

Entendo que o governador poderia ter endurecido antes. Não obstante, a partir do momento em que se conscientizou da gravidade da situação, vem acertando. Na eventualidade de adotar medidas mais rígidas, precisa ser muito claro sobre o que é permitido e o que é proibido, para não ensejar abuso de autoridade nas pontas.

E o governo federal? As medidas na área da Saúde e da Economia são suficientes? As medidas do governo federal são as que a realidade permite. O governo vem sendo muito eficiente nas respostas à crise. Apesar da opinião pessoal do presidente, ele tem deixado as boas equipes técnicas trabalharem.

Não há demora no auxílio emergeneial, por exemplo? As pessoas passam fome. O país é continental. Penso que a velocidade é a possível. O voluntariado também está funcionando. O Brasil precisa aprender a não depender só do Estado.

Defende o isolamento social? Ou vê prejuízo econômico com isso? O prejuízo econômico é uma realidade, mas não vejo saída. Poderiamos pensar em adotar medidas diferentes para cidades que estejam em situações diferentes, instituir rodízios. Mas não podemos abrir mão do isolamento horizontal, sobretudo nos locais em que a curva está mais acelerada. O isolamento precisa ser horizontal, pois essa doença atinge todas as idades. O discurso dos grupos de risco é equivocado.

Apoiadores de Bolsonaro apontam medidas de Doria como violação de direitos fundamentais, como numa ditadura. Como professora de direito e parlamentar, a sra. concorda com essa visão? Não. Os direitos fundamentais devem ser vistos em conjunto. Estamos vivenciando restrições em nosso direito de ir e vir? Sim, mas essas restrições objetivam preservar a vida e a saúde, não só dos indivíduos, mas da coletividade e do sistema de saúde. Essas pessoas assinarão um documento abrindo mão do respirador, caso adoeçam?

Talvez o caminho não seja multar nem prender, mas fazer essas pessoas assinarem uma declaração abrindo mão do direito a usar um leito de UTI e um respirador. É justo que alguém que esteja cumprindo as regras fique sem respirador por culpa desses egoístas e irresponsáveis?

A sra. votou contra o decreto de calamidade do estado e da capital paulista por considerar o texto amplo. Vê espaço para abusos do Executivo usando a pandemia como desculpa? Isso já está acontecendo? Não tenho como dizer que já esteja acontecendo, mas textos de lei precisos, objetivos, claros, restritivos são sempre mais seguros. Melhor lutar pela boa técnica legislativa.

A sra. acha que o texto foi feito de forma ampla com má intenção? Não faço acusações sem provas.

A sra. propôs corte de salários de deputados, corte de gratificações, uso de verba de gabinete para o combate ao vírus. “Cortar na própria carne” não é demagogia? Não, é necessidade. Os poderosos, no Brasil, acham que é possível fabricar dinheiro. Não é. O Legislativo precisa dar o exemplo para o Judiciário. Essa pandemia veio para mostrar que o mundo precisa ser mais igualitário. Eu acredito nisso.

Historicamente, o setor público não abre mão de remuneração e auxílios. Vê chance de isso avançar? Se a crise se intensificar, o corte de benefícios será necessário. Trata-se de uma calamidade pública mundial. Sugiro, inclusive, cortar imediatamente salários, pensões e aposentadorias acima do teto constitucional. Há muitos.

O que acha de Bolsonaro confrontar o ministro da Saúde e ir ao comércio de Brasília? O presidente está perdendo uma chance preciosa de ser um verdadeiro líder. Eu respeito divergências. Ele tem todo o direito de não concordar com o isolamento horizontal, de defender seus pontos de vista, mas ele não tem o direito de adotar comportamentos infantis e irresponsáveis, não em um momento como este.

Ele está provando que não tem grandeza para presidir.

O ministro também tem enfrentado Bolsonaro. Acha que Mandetta tem que ser demitido? Tem que se demitir? Ou deve continuar n0 cargo, em confronto com o presidente? Ambos têm que manter a calma, baixar a temperatura, colocar o Brasil acima. A linha do ministro me agrada, mas ele não ajuda o Brasil se subir o tom com o presidente.

O que acha da polêmica em torno da cloroquina? É a favor do uso experimental? Com todo o respeito, essa pergunta é inadequada. Não tem sentido perguntar se alguém é contra ou a favor da cloroquina ou de qualquer outro medicamento. Estamos diante de uma doença grave, nova, que evolui muito rapidamente.

Todos os caminhos devem ser utilizados, em uma decisão conjunta entre médicos e seus pacientes, com base nos casos concretos. A imprensa, por odiar Bolsonaro, demoniza a cloroquina. Erra tanto quanto ele, que a endeusa.

A sra. provocou n0 Twitter os bolsonaristas, inclusive deputados e os filhos do presidente, falando que xingam na internet e convocam carreatas. Como avalia essas atitudes? Qual a estratégia deles? Não vejo estratégia na burrice.

Após a pandemia, a sra. rompeu com Bolsonaro, num discurso forte na Assembleia. A sra. sempre foi crítica do governo, mas na ocasião disse pela primeira vez que se arrependeu do voto. Bolsonaro mudou para pior ou o comportamento destrutivo já existia em 2018 e a sra. não viu? Em 2018, nós não tínhamos alternativa. Eu nunca fui bolsonarista, mas Bolsonaro era o único com potencial para vencer a quadrilha que eu, a duras penas, tirei do poder. Não poderia votar no PT. Eu, hoje, tenho clareza que, em 2022, precisamos de uma alternativa ao PT e a Bolsonaro.

Essa alternativa seria alguém já colocado na disputa? Alguém novo? Doria? Huck? A sra. mesma? Não devemos pensar em 2022 agora. Não sabemos nem quem estará vivo.

Mesmo quando a sra. criticava Bolsonaro, dizia que ele era melhor que o PT. Ainda acha isso ou o PT estaria lidando melhor com essa crise? Os petistas são mais habilidosos, disfarçam melhor a maldade. Não me iludo com eles.

Há panelaços, pedidos de impeachment, pedidos de renúncia. O melhor para o país é que Bolsonaro fique na Presidência ou saia? Neste momento, precisamos concentrar todas as energias no enfrentamento da crise. Vamos observar.

É possível levar a cabo um pedido de impeachment? Há crime de responsabilidade e condições políticas? Não acho prudente pensar em impeachment, por enquanto. Vamos torcer para que o presidente ouça os bons conselheiros e adote uma postura mais ponderada. O país precisa muito de líderes ponderados. Eu convivi com ele, sei que ele é capaz de um comportamento melhor. Precisa parar de ouvir as pessoas erradas.

No discurso na Assembleia, a sra. disse que Bolsonaro tinha que sair da Presidência. Está voltando atrás? Estou pensando no BrasiL Não é uma questão de manter ou mudar de opinião. Estou observando… Hoje, quero todos os esforços para o enfrentamento do vírus.

 

Janaina Paschoal, 45

Advogada, é professora de direito penal na Faculdade de Direito da USP, onde fez sua graduação e doutorado. Trabalhou na Secretaria de Segurança Pública de São Paulo e no Ministério da Justiça antes de abrir seu escritório. Tornou-se conhecida por ser coautora do pedido de impeachment de Dilma Rousseff. Exerce seu primeiro mandato na Assembleia Legislativa de São Paulo.

 

Fonte: Folha de São Paulo

 

Deixe uma resposta